Animes X Games

Forum do Site: http://www.animesxgames.com ^^


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Sorte de hoje: A dança é a linguagem oculta da alma [Hentai]

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

Candy171

avatar
Animaniaco(a)
Animaniaco(a)
O som da música começou a sair pelas caixas de som. Ela tinha aumentado o volume até a máxima potencia. Os estalar dos dedos eram viciantes, como toda a melodia daquela música. A ruiva começou a imitar o som com os dedos. Os braços estavam colados em seus largos quadris, ela só movimentava os dedos produzindo o som de estalar. Suavemente começou a balançar os quadris em movimentos circulares, fazendo que as pontas dos pés subissem e descessem em ordem alternadas, primeiro à direita, depois à esquerda, para depois começar a movimentar os ombros. Ela deixou os longos cabelos vermelhos soltos, o que a fazia ter uma expressão mais sedutora. A cintura fina parecia que tinha criado vida própria quando voz rouca de Beyoncé tomou seu quarto. Seus pequenos lábios rosados começaram a se mexer ao mesmo tempo em que ela jogou a cabeça para o lado, fazendo que os cabelos se espalharem pelo rosto, pelos ombros, alguns fios grudaram-se naqueles lábios carnudos.

- Shawty, what yo name is? Them hustlers keep on talkin' They like the way I'm walkin'. You saying that you want me. So press record, I'll let you film me

Ela sorriu ao ver sua imagem refletida no espelho. Seus grandes seios estavam apertados pela blusinha que usava, cobria boa parte de sua barriga lisa, só deixando o umbigo a ser exibido ao olhar das outras pessoas. A bundona empinada estava comprimida por um curto short jeans escuro de cós baixo, se ela tivesse pêlos em sua virilha, aquele short os mostraria, era tão apertado que deixava as carninhas gordinhas daquele rabo aparecerem pelas bainhas que apertavam as coxas grossas da garota. Nesse ponto ela voltou a jogar a cabeça para o lado anterior dessa vez, novamente aqueles cabelos vermelhos voaram por todo lado. Bem devagar a garota foi inclinando seu corpo para o seu lado direito, fazendo que o pé esquerdo ficasse encostado no chão pelas pontas dos dedos enquanto ela ondulava violentamente aquela bunda de um lado para o outro, depois incluindo movimentos da cintura em pequenos círculos. A música corria solta enquanto os lábios acompanhavam a letra da musica sem nenhuma presa

- You like what you see? (Can you handle it?). You wanna video me? (Can you handle it?). You like what you see? (Can you handle it?). Go on and video me (Can you handle it?). You like what you see? (Can you handle it?). You wanna video me?


Ela levou as duas mãos até a testa, ficou se olhando através do espelho. Viu os seios balançarem levemente, foi quando ela aumentou as jogadas para frente com o quadril fracas, para trazer seu corpo para trás com uma violência animalesca, ficou fazendo essa jogada várias vezes, ainda com o pé esquerdo nas pontas dos pés. Ela foi descendo as mãos pela parte lateral do seu corpo, começando pelos seios, para ir alisando a cintura parando as palmas em cima daquela bunda arrebitada. Ela sorriu, para depois transformar os lábios num pequeno biquinho infantil. Foi girando o corpo lentamente, ficando de costa para o espelho. Retirou as mãos daquele rabo, para segurar o cós do short jeans. Voltou a ficar subindo e descendo os pés alternadamente. Com os braços ela juntou os peitões suculentos, que por causa disso, aumentaram de dobro de tamanho, fazendo que o vale que existia entre eles já não existia mais, jogou os quadris de um lado para o outro, uma, duas, três, quatros vezes, para depois ficar paradinha, voltando a cantar

- You like it when I shake it? Shawty on a mission, what yo name is? What, you want me naked? If you likin' this position you can tape it on your video phone

Voltou a mover o corpo, girando novamente o corpo, fazendo as coxas se contrair a cada movimento, o rabo ondular, remexendo a cintura fina de um lado para o outro, igualmente como os grandes seios. O suor começava a deixar sua pele lustrosa, gostas escorriam pelo pescoço, descendo pelo vale que separava aqueles belos seios que ela possuía, aquela gosta escorria por ali, para sumir da visão por dentro de sua blusinha colada. Esticou os dois braços lateralmente do seu corpo, na altura dos ombros, fazendo que aquelas duas melancias se apertasse pelo tecido da blusa, estava tão apertados que ela parecia que não vestia nada em cima deles, poderiam até ver os mamilos serem desenhados por cima daquele tecido de algodão. Jogou assim os ombros para frente, trazendo para trás, trocou o movimento fazendo seu corpo ir de um lado para o outro. Sua respiração estava acelerada, seu coração batia descompassadamente dentro do seu tórax, seu sangue corria velozmente. Um brilho divertido cobria aquelas bilhas verde que eram seus olhos, as maças do rosto estava corada, mas a música estava terminando, seus lábios cantaram a último refrão terminado assim seu exercício físico matinal

- Uh, uh, uh, ah, uh... Uh, uh, uh, ah, uh... (If you want me you can watch me on your) Video phone


E foi assim ao som de estalos de dedos que a pequena ruiva terminou sua dança. Foi assim que ela levou as pontas dos dedos até os lábios úmidos de suor, com um sorriso de satisfação os tocou, para deixar ali um beijo molhado, sem deixar o sorriso morrer assoprou o beijo na direção do espelho, saiu do quarto rindo, agora sim ela estava animada para começar o seu dia, depois de seu ritual matinal, nada a fará se aborrecer

- Bia – foi o grito que a garota ouviu em seu quarto dado pela sua mãe – Desça logo, se quiser carona, pois já estou saindo.

Bianca entortou aquela boquinha pequena, olhou para o teto como a pedir paciência para o escândalo que sua mãe estava dando naquele momento. Calçou uma sandália baixa, pegando sua bolsa-mochila, passando a alça por aquelas tetonas, deixando um dos seios amassadinho por sobre aquela camisa. Desceu as escadas correndo, naquela animação toda que os jovens sempre sentem. A mãe a olhou de cima para baixo juntando as sobrancelhas.

- Onde pensa que vai com essa roupa?
- Mãe! – Bia corou imediatamente ao ser tratada daquela maneira, ela já não era uma criança, já tinha completado seus dezessetes anos. Levantou o queixo num ato de puro desafio, estufando aqueles dois melões que possuía. – Minha roupa não é tão curta assim, além do mais, vou para a casa da Nanda.
- Da Nanda é? Sei... Olha lá o que vai aprontar moçinha! – repreendeu a mãe já desconfiando de algo.

Bianca fez um esforço danado para não desviar o olhar da mãe, pois ai seria sua total derrota ara o sexto sentindo que todas as mães possuem de quando seus filhos iram aprontar algo. Em vez disso, a garota desconversou, puxando a mãe pela mão na direção do carro. – Você não ia se atrasar? Então é melhor não perdermos tempo com essa discussão boba.

A mãe fingiu que engoliu aquela desculpa de atraso, deixou passar daquela vez, mas por incrível que parecesse, sua filha de certo modo era ajuizada. Não se metia em grupinhos estranhos e muito menos estava envolvida com drogas e etc. As duas conversaram alegremente quando a mãe dirigia na direção da casa de Nanda, a melhor amiga de Bianca. Elas tinha quase a mesma idade, se conheciam desde os cinco anos de idade. Então não tinha nenhum problema com as coisas que sua filha pudesse aprontar.

- Está atrasada!

Foi à primeira coisa que Bianca escutou de Nanda quando entrou na casa desta. Deu um beijinho na face da amiga, sem se importar realmente com o horário e fez o que toda garota da idade dela faria, colocou a culpa na mãe. As duas riram, pois sabia que Bianca estava mentido descaradamente. Trocaram amenidades, falando sobre o colégio, as fofocas que rolavam solta. Bianca foi para o quarto de Nada, ficou olhando a amiga arrumar a bolsa que ia levar ao clube que ficava perto da casa de Nanda. Naquele dia o sol estava bem forte, era um dia propício para um bom banho de piscina. Foram caminhando a pé para o clube, não demoraram vinte minutos para chegar lá. Trocaram-se no vestiário. Nanda vestiu um biquíni tomara que caia na cor rosa clarinho com estampas pretas que dava um contraste bonito com a pele dourada que possuía, a parte inferior era bem comportado, os cabelos eram de um castanho escuro e curto. O biquíni de Bianca era num modelo mais tradicional. A parte de cima era preso em sua nuca, num estilo cortininha que amarrava as suas costas, marcando aqueles peitões macios, passou a parte de baixo entre as suas pernas, cobrindo aquele pequeno triângulo de cabelos ralos que cobria a sua bocetinha gordinha, amarrou os laçinho em cada anca aquele quadril largo, o cós do biquíni era bem baixo, marcando aquele capôzinho inchado, deixando bem marcadinho enquanto a parte trazeira cobria toda aquelas nádegas grandes. As duas foram na direção da piscina, rindo, olhando a sua volta, vendo algumas famílias reunidas, bastante crianças estavam nas quatros piscina que eram oferecida por aquele clube. Alguns amigos de escola das duas se encontravam ali. Então os olhos de Bianca se depararam com de um rapaz. Ele não era muito belo, deveria ter quase um metro e setenta de altura. Mas para os um e cinqüenta e cinco dela, era alto. Moreno, cabelos que chegavam à altura dos ombros. Ela sentiu uma eletricidade passar por seu corpo molhado, deixando aqueles pelos ralos do braço arrepiadinho ao ponto dos mamilos rosados ficarem durinhas iguais a duas pedrinhas por sob aquele biquíni, pois tanto ela como a Nanda estavam sentada na borda da piscina, brincando com a água usando os pés. Bianca se inclinou para frente, fazendo que aquela tetonas se unissem pelos braços quando esta pulou dentro da água, ficando de costa para o rapaz. Nanda ria da escapada que sua amiga deu. Percebeu aquela olhada, mas não deu muita atenção, avisou que ia a lanchonete e perguntou se Bianca desejava algo. Esta respondeu que não desejava nada. Os cabelos ruivos cobriam quase a metade das costas de Bianca, por estar na água, eles flutuavam em volta do seu corpo, pois estava boiando na água de barriga para cima, mas se segurava na borá, fazendo que aquelas pernas curtas, as coxas grossas, aquele triângulo polpudo, a barriguinha lisa e os fartos melões ficassem a mostra de quem estivesse a olhar para aquela garota.

- Se precisar de ajuda para boiar posso te segurar gatinha.

Bianca se assustou ao ouvir aquela voz rouca perto dela, soltou da borda e por isso afundou na água. O coração foi à boca, não por ela estar afundando, mas pelo susto, pois ela estava pensando com os pensamentos longe. Submergiu, fazendo que a água escorresse por seus cabelos, rosto, pescoço, pelos ombros, o vale entre aquelas montanhas, fazendo que o biquíni molhado delineasse aquele mamilo pequenino. Ela já ia falar poucas e boas para a pessoa que a fez tomar um sustou, quando percebeu que era aquele moreno. Ajeitou alguns fios dos cabelos atrás da orelha, amassando aquelas tetonas na borda azulejada, voltando a se apoiar na borda da piscina, por isso sua coluna se formou um semi-arco, jogando aquela bundona para cima, seu corpinho ficou indo para frente e para trás, fazendo a água se movimentar a sua frente num redemoinho.

- Agora não preciso de sua Judá, você me desconcentrou totalmente e perdi a vontade de boiar. – comentou com um voz indiferente

- Que pena! –respondeu o rapaz com um sorriso malicioso nos lábios, foi se aproximando dela, até retirar alguns fios dos cabelos que estavam sob a sua face, ajeitando atrás da orelha.

Mesmo sob aquela água toda, ela sentiu um fogo nascer dentro do ventre dela. Dava a impressão que dentro dela tinha era lava derretida. Bianca desviou o rosto, tentando esconder que suas bochechas ficaram coradas por causa daquele sentimento erótico que teve. “estou parecendo uma vadia por sentir isso nesse lugar público” – pensou com um aperto no peito, pois ela não tinha tanta prática sexual desse jeito. Nem fazia dois meses que tinha perdido a sua virgindade. O rapaz sem tato algum passou as duas mão em volta do corpo da menina, a prendendo entro o corpo dele e a borda. Começou a esfregar a piroca naquelas nádegas e para o espanto dela, aquele cacete já estava duro e para o maior desespero aquela rola era grossa.

- Jesus! O que você está fazendo? – perguntou Bianca numa voz em pleno desespero, olhou de um lado para o outro tentando procurar seus amigos, não viu nenhum. As pessoas que estava a sua volta, nem prestava atenção pensando que fosse dois namorados se refrescando naquele dia de calor.

- Você não quer fazer um escândalo não é? Pois imagina o show que nós dois iríamos dar? Além do mais seria a minha palavra contra a sua, pois com um biquíni tão curto desse jeito, é impossível que alguém pense que você não estava querendo mesmo era sentir uma piroca roçando nesse bundona gostosa.

Bianca que sempre tinha orgulho do seu corpo, naquele momento se sentiu suja ao ouvir aquelas palavras. Por um momento ela tinha aceitado aquelas palavras, achando que a culpa era dela, mas ele estava errado. Aquilo que ele estava fazendo era errado, aquilo era um estupro. Os olhos verdes se marejaram por aquela humilhação toda, ela tentou escapar, mas o homem apertou a cintura dela, a fazendo encolher.

- Não, não gatinha... Agora que a brincadeira está gostosa você não vai a lugar algum. – ele ficou movendo os quadris de um lado, esfregando com gosto aquele caralho na bunda de Bianca.

Esta queria gritar por aquilo tudo, mas o medo de ser julgada pelas outras pessoas a prendia ali, ao mesmo tempo, ela sentia uma excitação nascer dentro dela. E por causa desse sentimento, ela achava que merecia estar sendo tratada daquela maneira. Como ela podia sentir tesão e revolta ao mesmo tempo por aquele homem, era isso que se perguntava naquele momento, mordeu o lábio inferior ao ponto de se machucar. O homem levou a mão que machucava a cintura dela para a barriga alisando em movimentos circulares, até chegar naquela bocetinha e por cima daquele biquíni ficou alisando o capôzinho até achar o grelinho escondido, forçou o dedo com força ali, fazendo-a gemer baixinho. Ele dava pequenas mordidas no ombro dela, remexendo aquela piroca na bunda dela, com agilidade começou a esfregar aquele clitóris pequenino.

- É assim que quero que fique, gemendo baixinho, não podendo gritar ao sentir minha rola entrar nessa bucetona.
Aquela voz rouca no ouvido de Bianca a fazia ir ao delírio e ao mesmo tempo ter repulsa. Como ele podia fazer isso com ela naquele lugar que era conhecida. E se alguém a visse daquele jeito. Voltou a olhar para os lados, tentando pedir por ajuda, tentando encontrar alguém que a socorresse, mas a vergonha a fazia engolir o grito. O momento do desesperou aumentou, pois o cara colocou o biquíni de baixo de lado, liberando os lábios íntimos dela, passou a ponta dos dedos naquela entradinha e com dois dedos a penetrou. Bianca fechou os olhos, emitindo um pequeno som de agonia baixo ao ter sua boceta ser forcada daquele jeito. Uma ânsia de vômito se alojou em sua garganta, mas ela engoliu em seco, pois seu corpo a traiu completamente, com aqueles vai e vem, sua xereca se ensopou, a cada sovada de dedos que ele dava dentro dela, sua boceta se contraia, tentando a todo custo impedir aquela penetração.

- Olha só a gatinha sabe morder com a boceta, meu pau vai adorar isso – O rapaz riu ironicamente, mostrando quem era que estava no comando. Sem aviso, sem nenhum carinho, o cara botou a piroca dura para fora, levantou a perna da garota com uma perna, e dessa maneira, a penetrou com força, rasgando aquela carne macia e quente.

Bianca sentiu aquela invasão com dor, mas ela não podia gritar, lágrimas de revolta afloraram em seus olhos que tentava prender de qualquer jeito, não desejando que ninguém a visse daquela maneira. E foi assim, a cada estocada, seu útero parecia que ia estourar, aquelas tetonas batiam contra a parede. Porque ninguém via aquilo? Porque ninguém impedia aquela violação ao seu corpo? Era as perguntas que Bianca se fazia a cada sovada que aquele pau dava dentro dela.

- Mas que xota apertadinha, parece que ela vai arrancar meu pau. Se continuar assim vou encher essa bucetona de porra gatinha. Mas quero rasgar seu cu também, deve ser delicioso igual a essa xereca.

Aquelas palavras assustaram completamente a menina, a fazendo ficar pálida, pois nunca tinha feito sexo anal e não queria que sua primeira vez fosse com aquele homem, numa voz tremula implorou

- Por... Po... Por fa... Favor.... Não faça isso... Eu.. eu... Oh!

Novamente o corpo dela o traiu, pois numa estoca mais forte, Bianca gemeu um pouco mais alto, fazendo que sua xereca babasse aquele pau dentro dela, mesmo por baixo daquela água clorada. Mas o cara parou de se mover, pois um grupo de criança estava passando por eles.

- Não se mecha, quieta... Se não...

Deus, porque não me mate agora! –Implorou Bianca, escondendo o rosto entre as mãos, por causa desse movimento sua bunda foi para trás fazendo aquela rola grossa se alojar ainda mais dentro da sua gruta aperta e aquilo a fez sentir prazer e se sentir certo tipo de poder sobre aquele homem. Mas como era possível gostar daquela sensação de ser violada e ao mesmo tempo se sentir poderosa. Levantou o queixo e enquanto aquelas crianças passavam por ele, ela começou a mover a bundona para frente e com força jogando para trás. Fazendo aquele caralho entrar com força, fazendo que as paredes de sua vagina apertasse aquela tora dura.

- Caralho.. Então a gatinha sabe mostrar as garras né? Acho que por hoje está bom...

Bianca estava quase gozando com aquelas remexidas todas, virou o rosto para o rapaz, com um ar de espanto, por ele a deixar com aquela insatisfação sexual e ao mesmo tempo com certo alívio. Moveu a cabeça de um lado para o outro sem entender nada, piscando várias vezes.

- Mas... Mas...

- Mas nada! - o rapaz tocou os lábios de Bianca com os dele dando um suave estalo ali, moveu a cabeça para o lado, mostrando algo a Bia. – Nanda está chegando, quer terminar isso com ela perto?

Bianca olhou para a direção que o cara aponta e viu a amiga chegar, desviou o olhar baixo, fazendo um muxoxo de insatisfação. Nanda sem perceber nada de estranho, se sentou ao lado deles dois, sorriu para a amiga e cumprimento o rapaz.

- E ai Marcos, pensei que não ia vim a piscina, não conseguiu ficar longe da namorada né?

Marcos sorriu para a amiga da sua namorada, sem que Nanda percebesse, guardou aquela piroca latejante, estava tão ou mais frustrado que Bianca, não seria daquela vez que eles iam transar num lugar público igual ao clube. Com uma voz mais natural começou a conversar com a amiga, tentando não rir do bico enorme que Bianca fazia, num remeto de pura infantilidade. Encostou os lábios no ouvido da namorada comentando .

- Soube que aqui perto existe um jardim botânico bem interessante.

Bianca sorriu ao mesmo tempo em que um brilho malicioso nasceu em seus olhos verdes, amassou aqueles seios fartos no peito de marcos, passando o braço em volta da nuca dele, rindo baixinho ao saber a intenção do namorado.

- Amor... Você está me tornando uma verdadeira devassa!
- Isso é errado? – Perguntou Marcos ao circundar a cintura de Bianca, puxando o lábio inferior dela.
- Nem um pouco – riu baixinho a menina, já imaginando a próxima aventura que os dois iram ter - Mas dessa vez, por favor, não me deixe com a xotinha insatisfeita sem receber seu leitinho dentro dela – sussurrou a menina no ouvido de Marcos.

Marcos riu alto, pois realmente essa idéia toda, nasceu de sua namorada. No Início achou estranho, mas também tinha curiosidade de como seria essa fantasia. Aquela sensação toda das pessoas olhando, de ver sua namorada fazendo um papel tão submisso o excitou extremamente, ainda estava com o pau duro.

- Hei vocês dois, parem de se agarrarem... Hoje estou sozinha e não quero ser segura vela de ninguém.

Marcos e Bianca olharam para Nanda e ao mesmo tempo falaram

- Sua estraga prazer !

Um olhou para o outro e como se fosse uma piada entre os dois, caíram na gargalhada. Os três se divertiram naquele dia. Cada um foi para a sua casa. Bianca ia voltar para a casa de Nanda, Marcos voltou para o quartel onde servia nas forças armadas. Antes de dormir, Bianca se perguntou o que resultaria dos novos encontros que teria com seu namorado. E mesmo não completando aquela fantasia, Bianca já tinha uma certeza absoluta. Que era muito bom ser uma devassa com a pessoa que amava.
- Interessante... Muito interessante! – Foram as palavras da menina antes de pegar totalmente no sono.



Nota: Lembrando que contos eróticos não existem doenças, então se protejam, se transar use camisinha. Espero que gostem do conto. Foi feito com carinho, mesmo tendo um final não muito convencional.

Publicado originalmente no Animes X Games
Fórum do Site: http://www.animesxgames.com ^^
Em 17 de Setembro de 2011

Galvão

avatar
AxG VIP
AxG VIP
Tirem as crianças do fórum

Até a parte do o encontro com a amiga tava show ...

Mas quando o individuo entrou literalmente na história... Ai num curti muito não uhuhauhahuauhauhauh...

Acho que isso ta mais pra seção hentai, put... e afins em

Enfim, mas é inegável que tem talento pra contos sacanas uaauhauhahuauhhauuh, mandou bem Candy Surprised

http://darilgalvao.blogspot.com/

Candy171

avatar
Animaniaco(a)
Animaniaco(a)
Exagerado... Em vista a algumas crianças por ai, esse hentaizinho é coisa boba.
Mas... Obrigada por ser a primeira pessoa que fez um comentário aqui, pensei que esse tópico ficaria a mosca.

Galvão escreveu:Até a parte do o encontro com a amiga tava show ...

AHSUHAUSHAUSHAUSHAUHSAUHSUAHSAUAHAU
Entendi, na próxima irei fazer um só entre elas o que acha? ;p

Galvão

avatar
AxG VIP
AxG VIP
HUMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMM...

Gostei da idéia num tenho muita tara por isso... Mas acho que ficaria legal sim

Bianca e Nanda ...

http://darilgalvao.blogspot.com/

fercalix

avatar
Moderador
Moderador
texto digamos bastante interessante KKKKKKKkk

mas sem brincadeira Candy, se escreve bem pra caramba guria , tem que mandar varias fanfics pro forum

Conteúdo patrocinado


Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum